Arapuca

Se não efervesce não é ansiedade
Apenas o borbulhar de escombros
Que se remexem como fatalidades

Minha mãe espanhola

De minha mãe espanhola
Ao esfregar roupas dos homens
No tanque velho uma sonora

A ilha dos ventos uivantes

Por não conseguir saber
O que segue adiante
Se segue sempre ou por querer

Fernando Pessoa

À margem do Tejo
De terno e gravata