Instantes simples

A terra que gemeu ao pisoteio

A água e o verso do deserto seco

o homem efusivo que pranteou ao mar

o valente ineficaz na última estocada

A lua nova que um dia se perdeu

A floresta negra que se tornou meiga

A mulher que se vestiu pela última vez

o cão sem raça, o mais antigo

Os jogadores de bilhar que ignoraram

onde pousaram suas mãos e a angústia

os vencedores que perderam o mundo

saudades dos lampiões que morreram

as ruas saudosas de suas árvores

o padre que arquivou o confiteor

o motorista que um dia foi chauffeur

e combinou uma corrida à desoras

O aroma do pão quente e a fumaça

das chaminés da manhã

tornaram as moças felizes

sorridentes que os fizeram. 

*Amadeu Garrido de Paulaé poeta e ensaista literário, é advogado, atuando há mais de 40 anos em defesa de causas relacionadas à Justiça do Trabalho e ao Direito Constitucional, Empresarial e Sindical. Fundador do Escritório Garrido de Paula Advocacia e autor dos livros: “Universo Invisível” e “Poesia & Prosa sob a Tempestade” e do blog: Ambos à venda na Livraria Cultura e também um dos ganhadores do “Concurso Nacional de Novos Poetas de 2020” e do “Concurso Sarau Brasil 2020”, ambos da editora Vivara.

0 comentários em “Instantes simples”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *