Sangue e pus

Pesa-me a mão ao escrever

não há outro tema

diariamente o número de mortos

estremece o sistema

nervoso dos cidadãos que ficam

desolados também como mortos

ante nossas extinções que rumam

ao universo ignorado dos idos.

 Mas é dever primeiro dos poetas

 descrever em cores fortes

 a sensibilidade estremecida das gentes

que jamais imaginaram um vírus

a incompetência e a incultura de alguns

encherem nossos vasos de sangue e pus.

* Amadeu Garrido de Paula, poeta e ensaista literário, é advogado, atuando há mais de 40 anos em defesa de causas relacionadas à Justiça do Trabalho e ao Direito Constitucional, Empresarial e Sindical. Fundador do Escritório Garrido de Paula Advocacia e autor dos livros: “Universo Invisível” e “Poesia & Prosa sob a Tempestade”. Ambos à venda na Livraria Cultura.

ASSESSORIA

DE LEON COMUNICAÇÕES

Bruna Lyra Raicoski

0 comentários em “Sangue e pus”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *