Os gênios

Avalio-os de minha pobreza mental

que já se fez crônica na senectude

não como aqueles que aparentam

saber em dose superior ao usual

tampouco os eruditos, os mestres

os ratos de biblioteca, os acadêmicos, 

os donos de títulos, sabe-se como,

as mentes deusas de um momento.

São gênios, entre eles ou nas periferias,

os homens que conhecem as agonias,

do pensamento que supera o tormento.

Não dominam pela superfície a linha

do pensar que segue avante sempre linear

de aparência congruente e profundidade

nenhuma, salvo a descrição do ignorado.

Gênio é o homem que aponta um pequeno

ponto fundamental dessa linearidade enganosa

o ponto que num átimo abre nossas mentes

e tudo ilumina, trazendo a verdade a lume,

de modo que, satisfeitos, vibramos ao vê-la

claramente, realidade sempre negada e oculta, 

não raro pouco desvendada na respeitável literatura.

Quando o desnudamos podemos ser deuses,

ou ainda meros homens, refletidos dos espelhos divinos.

* Amadeu Garrido de Paula, poeta e ensaista literário, é advogado, atuando há mais de 40 anos em defesa de causas relacionadas à Justiça do Trabalho e ao Direito Constitucional, Empresarial e Sindical. Fundador do Escritório Garrido de Paula Advocacia e autor dos livros: “Universo Invisível” e “Poesia & Prosa sob a Tempestade”. Ambos à venda na Livraria Cultura.

ASSESSORIA

DE LEON COMUNICAÇÕES

Bruna Lyra Raicoski

0 comentários em “Os gênios”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *