Canção de guerra

Uma madrugada, uma lembrança, um aceno,

uma manhã que sinaliza no horizonte

a certeza de um dia que será ameno

uma lembrança de um sonho, uma fronte.

Uma praga, um vírus e o medo,

um tempo jamais previsto em nosso mundo,

é preciso ser altivo, corajoso e intrépido,

chorar os mortos e criar o novo mundo.

Lutar feliz, assim fazia o Macedônio,

com pura arte conquistou a Terra,

os montes e os mares oceânicos.

Como tal um povo solidário

renascerá

um jardim, as rosas e os orquidários.

* Amadeu Garrido de Paula, poeta e ensaista literário, é advogado, atuando há mais de 40 anos em defesa de causas relacionadas à Justiça do Trabalho e ao Direito Constitucional, Empresarial e Sindical. Fundador do Escritório Garrido de Paula Advocacia e autor dos livros: “Universo Invisível” e “Poesia & Prosa sob a Tempestade”. Ambos à venda na Livraria Cultura.

Att,

Bruna Lyra Raicoski

Assessora de Imprensa

0 comentários em “Canção de guerra”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *