Os rios e os homens

mudam-se os rios

águas limpas e sujas

mansos e bravios

lavam suas garatujas.

mudam-se os homens

calmos e ansiosos

felicidades e améns

rios e homens revoltos.

Impossível desdizer Heráclito

e sua asserção imorredoura

águas e lágrimas, o périplo.

Incessantes seguirão a vida

sob outros nomes

até o mar da despedida.

* Amadeu Garrido de Paula, poeta e ensaista literário, é advogado, atuando há mais de 40 anos em defesa de causas relacionadas à Justiça do Trabalho e ao Direito Constitucional, Empresarial e Sindical. Fundador do Escritório Garrido de Paula Advocacia e autor dos livros:“ Universo Invisível” e “Poesia & Prosa sob a Tempestade”. Ambos à venda na Livraria Cultura. 

0 comentários em “Os rios e os homens”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *