Malditos e benditos

Única espécie que o milagre da palavra junta

deixa suas pegadas em vários mundos percorridos

do verbo vem o verbo, idênticos nas juntas.

 

Na concordância só vemos grunhidos e silêncio

ninguém diz jamais ao amigo: “bem dito”;

enquanto a discordância se faz no grito

para que se imponha nossa verdade ao dissenso.

 

A língua da magia da raça passou aos homens;

enquanto  uns são santos orados, os benditos

outros na terra em transe são os malditos.

 

Benditos os benditos, malditos os malditos

lá se vai o verbo que se fez bondades e maldades

esqueceu-se a linguagem original e o verbo se fez adjetivos.

Amadeu Garrido de Paulaé Advogado, sócio do Escritório Garrido de Paula Advogados.

 

Esse texto está livre para publicação. Se precisar de  mais informações ou entrevistas entre em contato na  De León Comunicações:

Bruna Lyra Raicoski
Assessoria de Imprensa
bruna@deleon.com.br
(11) 5017-7604// 99655-2340

 

0 comentários em “Malditos e benditos”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *